Arquivo para Cinema

Mube recebe mostra sobre Marylin Monroe :)

Posted in Celebridades, Essa é boa, fotografia, Pop :) with tags , , , on junho 3, 2011 by pattindica

a exposição “Life as a Legend – Marilyn Monroe” será aberta no dia 1º de junho no Museu Brasileiro da Escultura, Mube, em São Paulo (Av. Europa, 218). A mostra traz 300 obras inspiradas na atriz e feitas por artistas como Andy Warhol e Henri Cartier-Bresson. A data de abertura marca a comemoração dos 85 anos de nascimento de Monroe. A exposição já passou por Europa e Estados Unidos desde 2003 e chega pela primeira vez à américa Latina.

 

Marilyn Monroe foi uma das maiores estrelas de Hollywood na década de 50. Após alguns anos como modelo, estreou no cinema em um pequeno papel não creditado em “Sua Alteza, a Secretária” (1947). Devido a sua beleza, sensualidade e talento para a comédia, Marilyn protagonizou filmes como “Os Homens Preferem as Loiras” (1953), “Como Agarrar Um Milionário” (1953) e “Quanto Mais Quente Melhor” (1959). Morreu no dia 5 de agosto de 1962, aos 36 anos.

 

viaqui: http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/mube+recebe+mostra+sobre+marylin+monroe+a+partir+de+1+de+junho/n1238130518780.html#4

Cinema – “Em um Mundo Melhor” (Hævnen/In a Better World)

Posted in Cinema, Trailer with tags , , on março 14, 2011 by pattindica

Identidade – Norma Jeane

Posted in Celebridades, emailRepassando, Essa é boa with tags , , , on março 1, 2011 by pattindica

ZuzazOOm

John Barry – James Bond Theme

Posted in emailRepassando, JorNews, Música, Vídeos with tags , , on fevereiro 5, 2011 by pattindica

John Barry – 1933-2011

Alex Eylar mostra os indicados ao Oscar 2011 em cenas feitas de Lego

Posted in arte, Cinema, Essa é boa, Pop :) with tags , , , , on janeiro 28, 2011 by pattindica

 

Cena do filme "a Origem" de Christopher Nolan

Christian Bale e Mark Wahlberg em "The Fighter" de David O Russell

Jeff Bridges em "True Grit", dos Irmãos Coen

annette Bening e Julianne Moore em "Minhas mães e meu pai" de Lisa Cholodenko

Cena de "127 hours" de Danny Boyle

Jesse Eisenberg é Mark Zuckerberg em "a Rede Social" de David fincher

Colin Firth em "O discurso do rei" (The King's Speech) de Tom Hooper

Jennifer Lawrence em "Winter's Bone", de Debra Granik

alex Eylar, o autor das cenas de cinema acima

viaqui

Coleção reúne filmes da Mostra Internacional de Cinema :)

Posted in arte, Cinema, Essa é boa, Eu quero isso, JorNews with tags , , on janeiro 2, 2011 by pattindica

fãs dos filmes de arte, aqueles distantes dos blockbusters de Hollywood, sabem da importância da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo – foi graças à aceitação do evento pelo público que os distribuidores passaram a arriscar e a programar, por exemplo, obras do Irã. Esse avanço se estende agora ao DVD, com a união da Mostra com a Livraria Cultura. Juntas, elas criaram a coleção “Cultura Mostra” para lançar em disco filmes que foram sucesso em diferentes edições do festival.

a primeira fornada, já disponível, é eclética e de bom gosto: o familiar “Horas de Verão”, de Olivier Assayas; o abusado “Shortbus”, de John Cameron Mitchell; o delicioso “Canções de Amor”, de Christophe Honoré; e o minimalista mas muito divertido “Vocês, os Vivos”, de Roy Andersson.

Com curadoria dos organizadores da Mostra, Leon Cakoff e Renata de Almeida, a seleção vai aumentar em pelo menos mais 20 títulos em 2011 e já estão confirmados o delicado “Hanami – Cerejeiras em Flor”, de Doris Dörrie; o documentário “Os EUA Contra John Lennon”, de David Leaf e John Scheinfeld; e o terror sueco “Deixa Ela Entrar”, de Tomas Alfredson.

Juntos, formam uma verdadeira salada cultural. “Horas de Verão” conta a história de uma família que comemora o aniversário da matriarca. Ao lado dos filhos que moram fora, discute-se o legado do tio pintor, em torno de quem há um culto do qual a mãe é a oficiante. Em seguida, a família reúne-se de novo para saber o que fazer com o espólio – pois a mãe morreu e a casa, os objetos, incluindo quadros e mobiliário do tio, aguardam uma definição. O filme chega em um momento crucial: memória tem valor?

viaqui: http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/cinema/colecao+reune+filmes+da+mostra+internacional+de+cinema/n1237907373501.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Veja o novo e definitivo Trailer do filme “Bruna Surfistinha”

Posted in Celebridades, Cinema, Eu quero isso, Trailer with tags , , , on novembro 30, 2010 by pattindica

Saiu o trailer definitivo com novas cenas do filme “Bruna Surfistinha”, que estreará no dia 25 de fevereiro de 2011, que você confere no vídeo abaixo.  O filme conta história de Rachel Pacheco, jovem de classe média paulistana que estudava em colégio tradicional e ficou famosa contando suas aventuras de garota de programa. É uma adaptação do livro “O Doce Veneno do Escorpião”, escrito por Rachel e publicado em 2005 que vendeu mais de 300 mil cópias. Com a atriz Debora Secco no papel principal, o filme produzido pela TV Zero, com direção de Marcus Baldini, conta ainda com os atores Cássio Gabus Mendes, Drica Moraes, Cristina Lago e Fabiula Nascimento. viaqui: http://www.marcoeusebio.com.br/

Cinema – “a casa do lago” (The Lake House)

Posted in Cinema, Essa é boa, Trailer with tags , , on novembro 24, 2010 by pattindica

O dia hoje tá bom pra rever a “a Casa do lago” com a Sandra Bullock e Keanu Reeves. Nesse vídeo tem a linda música do Paul…

Vídeo – “The alphabet” de David lynch (1968)

Posted in Cinema, Essa é boa, Pop :), Vídeos with tags , , , on novembro 3, 2010 by pattindica

Impressionante constatar que em 1968 ele já fizesse curtas como esse. Genial! 🙂

Vi um comentário sobre esse  filme no YouTube que dizia: “por que não passam esse vídeo na Vila Sésamo?” hahaha

Filme de Banksy é destaque em mostra de cinema :)

Posted in Cinema, Graffiti, Pop :) with tags , , on outubro 22, 2010 by pattindica

a incrível história de como o maior filme de grafite da história nunca foi feito…”, é com esse slogan que Exit Through the Gift Shop, dirigido pelo grafiteiro britânico Banksy tem sido divulgado em todo mundo. O filme, que estreou no festival de Sundance em janeiro, é um dos destaques na 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que começa nesta sexta-feira (22/10). Em meio a especulações sobre a veracidade do documentário, o longa se firma como uma crítica ao mercado de arte e pode ser a melhor obra de Banksy.

 

a história é baseada em Thierry Guetta, um imigrante francês em Los Angeles e sua obsessão pela street art. Guetta filma constantemente toda sua vida e ao se deparar com as intervenções urbanas de seu primo, conhecido como Space Invader, entra em contato com artistas mundialmente conhecidos no meio como Shepard Fairey e Banksy, que não mostra o rosto nem divulga seu nome verdadeiro.

ao conhecer esse movimento que surge com força, Guetta concentra-se em acompanhar os artistas em suas aventuras nas ruas. Misterioso, Banksy se torna o alvo principal de Guetta e os dois se conhecem quando o britânico vai a Los Angeles para uma exposição. O francês torna-se o guia de Banksy pela cidade, o acompanha em seus trabalho e chega a passar por quatro horas de interrogatório quando o artista coloca um boneco inflável vestido como um preso de Guantánamo na Disney.

pós inaugurada, a exposição do britânico, Barely Legal, se torna um estrondoso sucesso na mídia, inflacionando o preço de obras de artistas urbanos. Banksy se mostra surpreso e decepcionado com o hype repentino e instiga Guetta a terminar seu documentário sobre street art. As inúmeras fitas de filme encaixotadas na casa de Guetta começam a ser editadas e se transformam no filme “Life Remote Control”, uma colagem de 90 minutos de cenas frenéticas e desconectadas. Frustado, Banksy decide fazer seu próprio filme a partir do material de Guetta e sugere que o amigo comece uma carreira de artista.

Seis meses depois, Guetta assume o codinome Mr. Brainwash e prepara sua primeira exposição, alugando um galpão em Los angeles e contratando assistentes. O agora artista gasta milhares de dólares para reproduzir e divulgar seu trabalho e passa grande parte do tempo fazendo marketing e dando entrevistas. Apesar de tudo, a exposição é um grande sucesso e, depois de uma semana, Guetta soma quase um milhão de dólares em quadros vendidos. O filme, que tem sido avaliado positivamente pela crítica, também é alvo de especulações sobre se seria mais uma “pegadinha” de Banksy. O artista, que não mostra o rosto e fala com voz distorcida no longa, afirma ter trabalhado nas 10 mil horas de filmagens de Guetta e que o processo para obter as fitas teria sido muito difícil. A polêmica sobre veracidade do filme, porém, é irrelevante diante da questão que ele levanta. Se o que vale mais no mercado artístico é o marketing do que o conteúdo, Banksy venceu essa barreira e conseguiu fazer um filme contestador, popular e de qualidade.

viaqui: http://revistaepocasp.globo.com/Revista/Epoca/SP/1,,EMI180829-16296,00.html