Archive for the Pense nisso Category

Projeto #EuSouGay “Sejamos Gays. Juntos.”

Posted in emailRepassando, Pense nisso with tags , , on abril 26, 2011 by pattindica

Tomei conhecimento desse projeto  através do Twitter e resolvi (re)postar aqui. Parabéns a jornalista Carol almeida que teve  a iniciativa de criar esse blog para conscientizar as pessoas. Segue abaixo o post:

viaqui: http://twitpic.com/4pm0y2 atores da peça "Música para cortar os pulsos" apoiam #eusougay

adriele Camacho de Almeida, 16 anos, foi encontrada morta na pequena cidade de Itarumã, Goiás, no último dia 6. O fazendeiro Cláudio Roberto de Assis, 36 anos, e seus dois filhos, um de 17 e outro de 13 anos, estão detidos e são acusados do assassinato. Segundo o delegado, o crime é de homofobia. Adriele era namorada da filha do fazendeiro que nunca admitiu o relacionamento das duas. E ainda que essa suspeita não se prove verdade, é preciso dizer algo.

Eu conhecia Adriele Camacho de Almeida. E você conhecia também. Porque Adriele somos nós. Assim, com sua morte, morremos um pouco. A menina que aos 16 anos foi, segundo testemunhas, ameaçada de morte e assassinada por namorar uma outra menina, é aquela carta de amor que você teve vergonha de entregar, é o sorriso discreto que veio depois daquele olhar cruzado, é o telefonema que não queríamos desligar. É cada vez mais difícil acreditar, mas tudo indica que Adriele foi vítima de um crime de ódio porque, vulnerável como todos nós, estava amando.

Sem conseguir entender mais nada depois de uma semana de “Bolsonaros”, me perguntei o que era possível ser feito. O que, se Adriele e tantos outros já morreram? Sim, porque estamos falando de um país que acaba de registrar um aumento de mais de 30% em assassinatos de homossexuais, entre gays, lésbicas e travestis.

E me ocorreu que, nessa ideia de que também morremos um pouco quando os nossos se vão, todos, eu, você, pais, filhos e amigos podemos e devemos ser gays. Porque a afirmação de ser gay já deixou de ser uma questão de orientação sexual.

Ser gay é uma questão de posicionamento e atitude diante desse mundo tão miseravelmente cheio de raiva.

Ser gay é ter o seu direito negado. É ser interrompido. Quantos de nós não nos reconhecemos assim?

Quero então compartilhar essa ideia com todos.

Sejamos gays.

Independente de idade, sexo, cor, religião e, sobretudo, independente de orientação sexual, é hora de passar a seguinte mensagem pra fora da janela: #EUSOUGAY

Para que sejamos vistos e ouvidos é simples:

1) Basta que cada um de vocês, sozinhos ou acompanhados da família, namorado, namorada, marido, mulher, amigo, amiga, presidente, presidenta, tirem uma foto com um cartaz, folha, post-it, o que for mais conveniente, com a seguinte mensagem estampada: #EUSOUGAY

2) Enviar essa foto para o mail projetoeusougay@gmail.com

3) E só :-)

Todas essas imagens serão usadas em uma vídeo-montagem será divulgada pelo You Tube e, se tudo der certo, por festivais, fóruns, palestras, mesas-redondas e no monitor de várias pessoas que tomam a todos nós que amamos por seres invisíveis.

A edição desse vídeo será feita pelo Daniel Ribeiro, diretor de curtas que, além de lindos de morrer, são super premiados: Café com Leite e Eu Não Quero Voltar Sozinho.

Quanto à minha pessoa, me chamo Carol Almeida, sou jornalista e espero por um mundo melhor, sempre.

As fotos podem ser enviadas até o dia 1º de maio.

Como diria uma canção de ninar da banda Belle & Sebastian: ”Faça algo bonito enquanto você pode. Não adormeça.” Não vamos adormecer. Vamos acordar. Acordar Adriele.

— Convido a todos os blogueiros de plantão a dar um Ctrl C + Ctrl V neste texto e saírem replicando essa iniciativa —

viaqui: http://projetoeusougay.wordpress.com/2011/04/12/sejamos-gays-juntos/

Vídeo – “Ode to the Brain”! by Symphony of Science :)

Posted in Ciência, emailRepassando, Essa é boa, Pense nisso with tags , , , on abril 2, 2011 by pattindica

Muito bom!!

Só faltava essa! Conheça Sarah White, a terapeuta que trabalha quase nua :)

Posted in Ciência, Essa é boa, Pense nisso, Vídeos with tags , , on março 5, 2011 by pattindica

Uma “terapeuta” norte-americana pouco ortodoxa está a propor “terapia despida” aos seus pacientes para que eles se sintam mais à vontade durante as sessões. Sarah White, de 24 anos, acredita que a nudez encoraja os clientes a serem mais honestos e os mantém mais concentrados. Dizem que ela é a terapeuta dos sonhos  do Charlie Sheen, hahaha.

a primeira sessão de “terapia despida”, realizada pela Internet com uma “webcam”, custa 150 dólares (107 euros). O método peculiar de Sarah já atraiu cerca de 30 homens de diversas partes do mundo.

“a proposta é mostrar aos meus pacientes que não tenho nada a esconder e encorajá-los a serem mais honestos durante a terapia”, disse Sarah White ao “New York Daily News“, um tablóide nova-iorquino. “Freud usou o método de livre associação, eu uso a nudez”, acrescentou.

Na medida em que paciente e terapeuta intensificam os laços, Sarah introduz o segundo passo da “terapia despida”, uma sessão realizada pessoalmente. Para ficarem frente a frente com Sarah, os clientes têm de desembolsar um valor a rondar os 320 euros.

Sarah White contou ao jornal que tem um namorado, mas que o rapaz não vê problemas na sua profissão. A jovem, porém, mostrou-se preocupada com o que os pais irão pensar.

“Penso que deveria ter-lhes, ao menos, contado sobre o meu trabalho antes de dar esta entrevista”, disse Sarah.

viaqui

 

Macktub! (50)

Posted in Macktub!, Pense nisso with tags , on fevereiro 17, 2011 by pattindica

ZuzazOOm

Livro – “O olhar da mente” de Oliver Sacks

Posted in Ciência, Livros, Pense nisso with tags , , on janeiro 22, 2011 by pattindica

Um escritor que perde a capacidade de ler. Uma pianista que confunde um guarda-chuva com uma cobra. Indivíduos que só enxergam imagens bidimensionais ou não reconhecem rostos. Nos casos relatados em O olhar da mente, do neurologista inglês Oliver Sacks, a ciência é sempre vista a partir da experiência humana. Nesse percurso se mesclam, de forma ao mesmo tempo rigorosa e afetiva, informações técnicas sobre distúrbios da memória, da fala e de outras funções cerebrais e a narrativa de suas consequências no dia a dia de pacientes e familiares. O que torna essas histórias tão saborosas, a despeito de sua inevitável dramaticidade – ou comicidade, em alguns momentos -, é o talento do autor para tratar de assuntos complexos em prosa lógica e cristalina. Também a erudição discreta de seus argumentos, capazes de incorporar em discussões sobre fisiologia cerebral um poema de John Milton, um quarteto de Haydn, considerações sobre a fotografia estereoscópica, a teoria da linguagem de Noam Chomsky. “Aprendi a olhar para o sofrimento em termos humanos mais amplos”, disse Sacks numa entrevista, referindo-se ao resultado de seu convívio, ainda estudante de medicina, com poetas como W. H. Auden. “A olhar para dilemas, situações – não apenas para doenças.” Aos poucos, os casos de O olhar da mente – quase todos concentrados em problemas de visão – ganham certa familiaridade e convergem para aquele que parece ser o seu grande mote: o câncer que o próprio Sacks teve num dos olhos, e que o faz sair da condição de médico para enfrentar a angústia, a insegurança e os medos comuns de um paciente. “Este é o Natal mais desolador que já passei”, escreve. “O New York Times de hoje traz fotos e histórias de várias personalidades que morreram em 2005. Estarei nessa lista em 2006?” Nesse mergulho pessoal corajoso, que não abre mão da crueza e da autoironia, análise e experiência se fundem para traçar contornos originais do antigo – e ainda hoje complexo – dilema entre mente e cérebro. Até que ponto somos os autores, os criadores das nossas sensações? Quanto elas são predeterminadas pelo cérebro ou pelos sentidos com que nascemos, e em que medida moldamos nosso cérebro através do que vivenciamos?

viaqui

Macktub! (46)

Posted in Essa é boa, Macktub!, Meditação, Pense nisso with tags , , , on dezembro 28, 2010 by pattindica

Macktub! (44)

Posted in animais, Macktub!, Pense nisso with tags , , , on dezembro 21, 2010 by pattindica