Arquivo para fevereiro 22, 2010

Fotografando…(XXX)

Posted in Essa é boa, fotografando with tags , , on fevereiro 22, 2010 by pattindica

Marilyn e seu pequeno fã... viaqui: http://skanga.livejournal.com/

Anúncios

Livro: “Sacher-Masoch: o frio e o cruel” de Gilles Deleuze

Posted in faz bem Ler, Livros, Pense nisso with tags , on fevereiro 22, 2010 by pattindica

Esse Livro foi uma dica da filósofa http://twitter.com/marciatiburi

Em Sacher-Masoch: o frio e o cruel, o autor quer reparar a injustiça de Masoch não ser tão lido quanto Sade e de clinicamente servir de complemento ao sadismo. O filósofo faz uma comparação entre as obras dos dois escritores, mostrando que uma unidade sadomasoquista é equivocada. O sadismo e o masoquismo têm significados totalmente diferentes, sendo um mais do que o desejo de causar dor e o outro mais do que o desejo de sofrer.
“Repetiu-se tanto que o mesmo sujeito é sádico e masoquista, que acabamos acreditando. Sendo o julgamento clínico cheio de preconceitos, devemos recomeçar tudo, e de um ponto situado fora da clínica, o ponto literário, a partir do qual, aliás, foram denominadas as perversões em questão.”
Nascido na região da Galícia no século XIX, o nobre Sacher-Masoch começou a carreira literária com romances históricos, que tiveram grande repercussão na época. Sua obra foi influenciada por problemas de minorias, nacionalismos e movimentos revolucionários.


“O destino de Masoch é duplamente injusto”, resume Deleuze, um dos mais importantes pensadores contemporâneos. Sacher-Masoch, que inspirou a formulação do neologismo “masoquismo”, teve ao longo dos anos sua obra praticamente esquecida e associada com os escritos do Marquês de Sade. O filósofo realiza uma brilhante leitura comparativa entre as obras do austríaco e de Sade, atento ao valor literário e ao viés psicanalítico. Um livro que ilustra bem a ideia deleuziana de que o artista ou o escritor é um pensador tanto quanto o filósofo ou o cientista.

“Para Deleuze, a literatura é uma atividade clínica, e o grande artista é mais um médico do que um doente.” Roberto Machado, professor de filosofia da UFRJ.

viaqui